História da Cidade

FORMAÇÃO HISTÓRICA DE CATURAÍ

A história de nosso município começa com a vinda de uma família paulista, cujo chefe era o Sr. Antônio Moreira de Melo, que aqui chegou e comprou uma fazenda, esta denominada Rio do Peixe. O Sr. Antonio Moreira, juntamente com seu filho Virgílio Moreira de Melo e sua esposa Carolina da Luz, doaram quatro alqueires de terra de sua fazenda para a construção de um Centro Espírita e do Sanatório, feitos de pau-a-pique e de tábuas. Com isto iniciou-se a nossa cidade.

A fundação e a inauguração do Centro Espírita e do Sanatório deram-se a 08 de janeiro de 1.938. O primeiro presidente do Centro Espírita foi o Sr. João Pedro Junqueira. O Sanatório era coordenado por Dona Carolina, Sr. José Vicente e Sr. Alberto Fradique. O mesmo era mantido pela pequena comunidade urbana, fazendeiros e outras pessoas. O patrimônio veio crescendo com a vinda de mais famílias que aqui se instalaram.

Nosso município pertencia ao município de Inhumas. Os eleitores aqui existentes votavam nos candidatos a prefeito de Inhumas. O prefeito eleito em Inhumas nomeava um subprefeito para o nosso município, e era eleito aqui um vereador. O Sr. Virgílio Moreira de Melo, juntamente com outras pessoas interessadas muito contribuíram para a emancipação política de nosso município.

O Senhor Garibalde Virgiano e outras pessoas interessadas sugeriram relacionar o nome da fazenda Rio do Peixe com o idioma indígena e homenageando nosso principal rio do mesmo nome para formar o nome da nossa cidade, que resultara em “CATURAÍ”, com o significado na língua indígena: Catu= Rio Raí=Peixe. Os Cidadãos aqui nascidos são conhecidos por Caturaienses.

Em 14 de novembro de 1.958 deu-se a emancipação política de nosso município. A lei de emancipação foi assinada na prefeitura de Inhumas, no mandato do prefeito Sebastião de Almeida Guerra. Decreto-lei nº. 8.305, de 31 de dezembro de 1943; desmembrado do município de Inhumas. O município de Caturaí foi criado com a Lei Estadual de nº2. 132, de 14 de novembro de 1.958, sendo instalado em 1º de janeiro de 1959.

Nosso primeiro prefeito foi o Sr. Diano Moreira de Melo. Nomeado, pelo governador da época o Sr. José Ludovico de Almeida, para um mandato de 60 dias, logo após foi expedido um mandato para dois anos, sendo de 1.958 à 1.960.

A ata de Instalação Oficial foi lavrada no dia 31 de janeiro de 1961, daí em diante, passamos a ter nossas eleições normais, tendo como prefeitos:

1º- Diano Moreira de Melo (nomeado) secretário – Garibaldi Virgiano (1958- 1960)

2º- Osvaldo Gomes Geraldini – vice – Arsênio Coliche (1961-1965)

3º- Gabriel Miguel de Lima – vice – Dorzirio Luiz de Moura (1966-1969)

4º- Eurípides Luiz Gonzaga – vice – Heitor Coelho (1970-1972)

5º- Diniz Estevan Valim – vice – Misael Dias Mesquita (1973- 1976)

6º- Perácio Palestino – vice – João Maia dos Santos (1977- 1982)

7º- Ernestino Gobbi – vice – Altamiro Claudino da Costa (1983- 1988)

8º- Altamiro Claudino da Costa – vice – José Tavares Neto (1989- 1992)

9º- Lair Domingos de Araújo – vice – Isoldino da Silva (1993-1996)

10º- Ernestino Gobbi – vice – Ladico Francisco Manso (1997- 2000)

11º- Paulo de Sousa Lago – vice – Gentil Ferreira da Luz (2001- 2004)

12º- Luiz Carlos de Sousa – vice – Alcino Ribeiro (2005-2008)

13º- Jurandir Ribeiro de Oliveira – vice – Edmar Nunes (2009-2012)

14º – Jurandir Ribeiro de Oliveira – vice – Edmar Nunes (2013 – 2016)

15ª – Divina Aparecida Zago Sousa – vice – Flavio Zeferino ( 2017 – 2020)

16º – Divina Aparecida Zago Sousa – vice – Alexandre Tiago Moura (2021-2024)

OBS.: O primeiro prefeito Constitucional foi o Sr. Osvaldo Gomes Geraldini e comemoramos o aniversário da cidade no dia 14 de novembro de 1958.

BANDEIRA: interpretação

1º- O verde: corresponde a riqueza vegetal do município.

2º- O amarelo: a sua riqueza mineral.

3º- O bacuri e a guariroba: são os símbolos do solo fértil.

4º- O brasão: representa a sede municipal.

5º- O arroz, o milho, o algodão: são as culturas exploradas e cultivadas no município.

6º- 14 de novembro de 1958: data da emancipação política administrativa do município.

A Bandeira de nosso município foi criada pelo prefeito municipal Gabriel Miguel de Lima.

ÁREA, LOCALIZAÇÃO E POPULAÇÃO

O município de Caturaí localiza-se no Estado de Goiás, na microrregião de Anápolis e mesorregião do Centro Oeste goiano, distante apenas 32 quilômetros da capital. É servida pela GO-070, ligando Goiânia, Goianira, Caturaí e Inhumas. Já a GO-523 que parte do km 31 da GO-070 e a GO-222, na altura do km 10 da GO-523,  liga Caturaí à Araçu.

Possui como municípios limítrofes: Inhumas, Goianira, Santa Bárbara, Araçu, Avelinópolis e Trindade.

A área territorial do nosso município é de 207, 154 km², e a população de 5.038 habitantes, de acordo IBGE/2018. A população de nosso município é distribuída pelas três zonas que são:

  • Zona urbana: Centro da cidade;
  • Zona suburbana: Vilas e bairros;
  • Zona rural: fazendas, sítios e chácaras.

Caturaí possui algumas vilas e setores, são elas: Centro, Vila Ordem e Progresso, Vila Novo Horizonte, Vila Mutirão, Setor Dianópolis, Vila Morato, Setor Santa Cecília, Parque Industrial, Setor Noroeste, Setor Interlagos, Setor Luís Moreira de Melo e Residencial Condomínio do Lago. Todas as vilas e setores contam com água encanada e energia elétrica.

Observe o mapa do nosso município e de acordo com os pontos cardeais localize os municípios que fazem limites com Caturaí: Atenção os limites podem ser feitos através de rios, serras ou até mesmo cercas.

  • Ao Leste: Goianira
  • Ao Oeste: Araçú e Avelinópolis
  • Ao Norte: Inhumas
  • Ao Sul: Trindade e Santa Bárbara

 

POSIÇÃO GEOGRÁFICA – LOCALIZAÇÃO – EXTENSÃO

Veja o mapa do Brasil, ele é formado de muitos pedaços, que são os Estados: logo o conjunto de Estados forma o País.

 

 

 

 

ASPECTO POLÍTICO ADMINISTRATIVO

 

AS AUTORIDADES DO MUNICÍPIO

O município é governado pelo prefeito. Ele trabalha na prefeitura, administrando e executando as leis.

O prédio da prefeitura chama-se Palácio Municipal Francisco de Assis Manso.

O poder exercido pelo prefeito é o Poder Executivo.

O poder no município é também exercido pela Câmara de Vereadores. Nela trabalham os vereadores, que fazem as leis municipais. Eles auxiliam o prefeito a governar o município.

O poder exercido pelos vereadores é o Poder Legislativo.

Em alguns municípios há também o juiz de direito, que fiscaliza o cumprimento das leis. O poder exercido pelo juiz de direito é o Poder Judiciário.

O juiz que responde por Caturaí é da comarca de Araçú.

Os municípios que têm um juiz são denominados Comarcas. O prédio que é a sede da comarca chama-se Fórum. No município há outras autoridades:

  • Religiosas: padres, pastores,
  • Militares: policiais militares,
  • Civis: delegados de polícia, juízes de paz, etc.
ASPECTO FÍSICO (RELEVO)

Os terrenos do município não são iguais e apresentam-se ora planos, ora com elevações. A diferença de níveis da superfície da terra é chamada de relevo e em Caturaí predomina as terras planas e planícies com montes e poucas serras. Seu relevo caracterizado como planície, é banhado pelo Rio do Peixe, que nasce no município de Inhumas, e Rio Anicuns, que faz divisa com Avelinópolis.

  • Planícies: 100m a 300m
  • Planaltos: 400m a 800m
  • Morros: 300m a 400m
  • Montes: 400m a 600m
  • Serras ou cadeias: mais de 800m

A altitude do município de Caturaí é de 700 a 750 m acima do nível do mar.

 

Área

 

207,154 km² (10/10/2002)

 

Lei de criação

 

nº 2132 de 14/11/1958

 

 

Microrregião

 

Anápolis (IBGE 2008)

 

Mesorregião

 

Centro-Oeste Goiano

 

Altitude

 

763 m

 

Coordenadas

 

16º26’49” – latitude sul

 

49º29’38” – longitude oeste

 

Municípios Limítrofes

 

Inhumas, Araçu, Trindade, Goianira, Avelinópolis e

Santa Bárbara

 

Região Metropolitana

 

Região Metropolitana de Goiânia

PRINCIPAIS SERRAS DO MUNICÍPIO

As principais serras de Caturaí são: Serra dos Almeidas (Lopes), Serra do Paiol Velho.

HIDROGRAFIA DE CATURAÍ

Já vimos que o nosso principal rio é o Rio do Peixe, que nasce no município de Inhumas, e que temos ainda o Rio Anicuns que faz limites com Avelinópolis.

Além desses dois importantes rios, temos também alguns córregos que formam a hidrografia de Caturaí:

  • Córrego Fundo
  • Córrego Matão
  • Córrego Pastor
  • Córrego Rico
  • Córrego Serra Baixo
  • Córrego Inajá
  • Córrego Jenipapo
  • Córrego Vaca Morta

Veja os córregos e rios que formam a hidrografia de Caturaí:

 

CLIMA

O clima de Caturaí é classificado como TROPICAL. A época mais quente corresponde aos meses de dezembro a fevereiro e a mais fria vai de junho a agosto. Há uma longa seca, mas não chega a secar os rios.

No verão dá-se a época chuvosa, sendo que no mês de dezembro chove mais. A temperatura máxima de Caturaí é aproximadamente de 28º e a mínima de 14º.

FAUNA E FLORA

Caturaí apresenta uma vegetação rica em matas e terras férteis. A fauna é composta basicamente por variados tipos de animais de pequeno porte. Já a flora é caracterizada pelo cerrado campos e matas. No cerrado predomina as herbáceas as quais se associam a pequenas árvores de troncos e galhos tortuosos. Espécies: ingá, guariroba, caju e outros.

Encontramos às margens dos ribeirões, eucaliptos, etc. Os campos basicamente são constituídos por herbáceas, pastagens, que servem de alimentação para certos tipos de animais.

PROBLEMAS AMBIENTAIS

 A localização geográfica de Caturaí, a proximidade com a capital do Estado, as condições climáticas, o tipo de solo e sua fertilidade, a distribuição hidrográfica, o relevo semi-plano facilitam o cultivo e a introdução de novas técnicas de produção agrícola e a atividade agropecuária e o consequente desenvolvimento agroindustrial do município.

Infelizmente com o aumento da produção ou com a queda desta, os produtores rurais vêm utilizando agrotóxicos que futuramente, com sua má utilização, será um grande causador de problemas ambientais e, de saúde, obviamente seus efeitos maléficos serão sentidos em longo prazo.

Outro problema também é detectado com respeito ao manejo e técnicas de conservação de matas e galerias, pois os pastos com o fim da seca sofrem constantes queimadas para que com o início das águas o capim brote mais rápido para servir de alimento ao gado, só que como a seca é grande o fogo pode propagar-se destruindo as matas.

As micro bacias hidrográficas que atualmente já se encontram em processo de assoreamentos e que a curto e médio prazo deverá ser feito um trabalho de conscientização junto à população, no sentido de recuperação destas micro bacias, antes que ocorra um impacto ambiental irreversível. A pesca e a caça também têm causado o desaparecimento de algumas espécies de animais da nossa fauna. Alguns fazendeiros hoje já proíbem essa prática em suas fazendas, temos ainda o IBAMA que é um órgão que atua na defesa da fauna e da flora e que tentam conscientizar a população da importância de se preservar a natureza.

 ASPECTO ECONÔMICO

Toda terra possui recursos naturais, ou seja, recursos que a própria natureza oferece.

Os recursos naturais do município de Caturaí mais explorados são: – a vegetação com muitas matas e com variados tipos de madeira. A terra muito fértil, favorece a agricultura, etc. A base da economia de Caturaí está ligada à agricultura e a pecuária. A zona rural produz: milho, arroz, feijão, alho, café e hortaliças.

Em nosso município destaca-se também a pecuária, ou seja, o trabalho de criar e cuidar do gado, dos quais podemos destacar: – Bovinos (boi, vaca), – Suínos (porcos).

Dentre os bovinos destaca-se a criação das raças: nelore, mestiça e Jersey.

Caturaí além de explorar os recursos naturais, também desenvolve um ótimo trabalho quase que artesanal no campo da indústria de transformação, ou seja: a indústria transforma os produtos naturais ou matéria prima em outros produtos.

Exemplo: indústria de produção de sapatos e confecção de roupas, etc.

Já no campo do comércio Caturaí se destaca com várias casas comerciais espalhadas pela cidade.

São elas: serraria, farmácias, sorveterias, panificadoras, casas de carnes (açougues), auto elétricas, barbearias, lanchonetes, supermercados, mercearias, distribuidoras de gás e bebidas, pamonharias, lojas de vestuários e cosméticos, casa lotérica, lan houser, lojas de materiais de construção e produtos agropecuários, pet shop, confecção de lingirie, postos de gasolinas, etc.

SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS

Os habitantes de Caturaí pagam impostos e taxas ao governo, com esse dinheiro arrecadado o governo executa os serviços públicos, melhorando as condições de vida dos habitantes.

Os serviços públicos são:

  • Limpeza e conservação;
  • Iluminação de locais públicos;
  • Escola, biblioteca;
  • Atendimento à saúde em Hospital e UBS (Unidades Básicas de Saúde);
  • Construção e manutenção de estradas, praças, áreas de esporte;
ASPECTO SÓCIO – CULTURAL

No início da história de nossa cidade, a religião predominante era a Espírita. Hoje, os habitantes de nosso município frequentam várias religiões e seitas, contamos com várias igrejas, como:

  • Assembleia de Deus;
  • Igreja de Deus;
  • Igreja Universal.
  • Testemunhas de Jeová;
  • Igreja do Véu;
  • Vale do Amanhecer;
  • Igreja Católica;
  • Centro Espírita;

Uma das festas religiosas mais frequentadas em Caturaí é a comemoração do padroeiro da cidade, Santo Antônio de Pádua, que se dá no dia 13 de junho.

Os grupos formadores do povo brasileiro deixaram costumes e tradições: a maneira de vestir, se alimentar, as festas, as cantigas, as brincadeiras de crianças, as lendas, os remédios caseiros, adivinhações, etc.

As festas populares, danças, músicas lendas, crenças, brincadeiras, trabalhos manuais e tudo aquilo que o povo inventa e vai transmitindo de pai para filho chama- se folclore.

No nosso município são comemoradas algumas festas que fazem parte de nosso folclore, como:

  • Festas Juninas;
  • Festa de Santo Antônio;
  • Folia de Reis;
  • Festa dos Carreiros;
  • Festa das Mães;
  • Carnaval;
O QUE É? 

Impostos – é contribuição que o poder público exige dos cidadãos a fim de fazer face às despesas do governo.

Impostos de licença: sobre todas as atividades comerciais.

Imposto Predial: sobre casas e construções, proporcionas ao valor do imóvel.

Imposto sobre a propriedade territorial: sobre terrenos.