História da Cidade

História de Caturaí

Caturaí teve seu início na década de 30, a partir da chegada do paulista Antônio Moreira de Melo que em Goiás veio morar.

Pouco depois, sendo Antônio chefe da família que era composta por Carolina da Luz, sua esposa, e seu filho Virgílio de Melo, comprou uma fazenda que recebia o nome de Rio do Peixe. Posteriormente a família doou quatro alqueires de terra para as pessoas carentes, e partir daí surgiu as primeiras construções que foram um sanatório e um centro espírita, como padroeiro do lugar foi escolhido o Santo Antônio de Pádua.

O sanatório e o centro espírita tiveram sua inauguração no dia 08 de janeiro de 1938, a esposa de Antônio, dona Carolina, por ser considerada uma pessoa de fé e caridosa, era quem administrava o sanatório, era auxiliada por José Vicente e Alberto Fradique, que ofereciam cuidados aos enfermos com muito carinho, o sanatório era mantido pela comunidade do Município.

Devido à concentração de pessoas teve início a criação do patrimônio que fundou o povoado. Em 1941, povoação já era considerada como Povoado  Santo  Antônio de Pádua de Inhumas. O povoado era freguesia da cidade de Inhumas, onde os eleitores votavam em candidatos da mesma, porém existia um representante do prefeito administrando no lugar. Já em 1943, o município de Inhumas reconhecia como vila, conforme Doc. Lei n° 8.305, de 31/12/1943 que mudou, inclusive sua denominação para Distrito de Caturaí do município de Inhumas e que foi instalada em 01/09/1944. No ano de 1948, Caturaí já possuía mais de 140 construções de alvenaria e uma população superior à 600 habitantes.

Dez anos depois, pela Lei Estadual nº 2132, de 14/11/1958, foi elevado á município de Caturaí do Estado de Goiás e solenemente instalado em 01/01/1959, nomeado seu primeiro prefeito, o senhor Diano Moreira de Melo.